Ngk

Meio ambiente: como a NGK vai zerar as emissões de carbono até 2050

  • Em todo o globo, multinacional japonesa adota uma série de iniciativas
    em resposta às mudanças climáticas, expansão de produtos ambientalmente
    amigáveis, conservação de recursos hídricos e gerenciamento de resíduos;
  • Para chegar ao patamar de neutralização do carbono em 2050, companhia
    espera reduzir as emissões em 30% até 2030 e estabelecer novas metas até 2040;
  • Como próximos passos, empresa vai implementar os programas Compra Verde e Logística Verde para também engajar fornecedores e prestadores de serviço

 

São Paulo, maio de 2022 – A NGK, líder mundial em produção de velas de ignição, avança em seu compromisso de neutralizar as emissões de carbono até 2050 para mitigar os impactos das mudanças climáticas. Para chegar a esse patamar, a empresa espera reduzir as emissões em 30% até 2030 e estabelecer novas metas até 2040.

“Para a NGK, o crescimento sustentável é o único caminho viável para as indústrias”, declara Nivaldo Yano, chefe do Departamento de Controle Ambiental da NGK do Brasil. “Em todo o mundo, a empresa promove uma série de iniciativas com foco na preservação ambiental e na sustentabilidade de suas operações.”

Nesse sentido, a companhia desenvolve o programa de sustentabilidade global Ecovision 2030, que estabelece objetivos em linha com as metas ambientais propostas pela Organização das Nações Unidas (ONU), sobretudo em resposta às mudanças climáticas, expansão de produtos ambientalmente amigáveis, conservação de recursos hídricos e gerenciamento de resíduos.

Maior sistema fotovoltaico da região do Alto Tietê

Reduzir as emissões de CO2 está entre os principais esforços da NGK do Brasil, que anunciou em abril o investimento de R$ 2 milhões para ampliar em 36% a capacidade de sua usina de energia solar, responsável atualmente pela geração de 150 MWh/mês, o que rende uma economia de 7% no consumo da fábrica localizada em Mogi das Cruzes (SP).

“Com a primeira fase do projeto instalada em março do ano passado, a empresa já se tornou detentora do maior sistema fotovoltaico da região do Alto Tietê e deixou de emitir 104 toneladas de CO2 no período de 12 meses, o que corresponde ao plantio de 645 árvores”, destaca o chefe do Departamento de Controle Ambiental da NGK do Brasil.

Descarbonização da cadeia produtiva

Também está em curso na empresa a implementação de novas tecnologias com o objetivo de reduzir as emissões nas linhas produtivas, o que engloba modernização em processos de sinterização dos produtos cerâmicos, utilizando equipamentos com menor consumo de combustível ou energia elétrica.

Na avaliação de Yano, a indústria automotiva tem importante papel na corrida por uma economia de baixo carbono, por isso a NGK planeja implementar os programas Compra Verde e Logística Verde até 2030. “Queremos engajar fornecedores e prestadores de serviço a fortalecer suas políticas ambientais e reduzir as emissões de carbono”, afirma.

Gerenciamento de resíduos e água

Além da própria geração de energia solar, o gerenciamento de resíduos está entre as prioridades da NGK, que já reprocessa 90% de seus resíduos e recicla 70% da água utilizada por meio de uma estação de tratamento de efluentes da própria fábrica para diminuir os impactos ambientais na região.

Mais Notícias

Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Para mais informações sobre quais tipos de cookies você pode encontrar nesse site, acesse “Definições de cookies”. Ao clicar em “Aceitar todos os cookies”, você aceita o uso dos cookies desse site
Definições de cookies